Jun 28, 2021

Como as crianças escrevem nas redes sociais?

Qustodio team

Qustodio team

Experts in digital safety

Tips to help your child stay safe during the back to school period

Cada geração fala e escreve de forma diferente da seguinte: mas nenhuma geração anterior foi afetada pela tecnologia e comunicação digital como a atual Geração Z e a Geração Alfa. Com um crescimento tão rápido da tecnologia, a maneira como as crianças escrevem nas mídias sociais mudou nos últimos anos? E como isso afeta a maneira como elas escrevem em geral?

Como as crianças escrevem nas redes sociais: os destaques  

  • As crianças optam por evitar o uso de pontuação, como apóstrofes e acentos nos idiomas que os utilizam
  • a de pontuação e confusão entre palavras como “mais” e “mas” são alguns dos principais erros nas mídias sociais
  • Aproximadamente 9 em cada 10 crianças não prestam atenção em como escrevem nas mídias sociais
  • 20% dos alunos do ensino fundamental e médio dizem que escrevem enquanto falam
  • Abreviações on-line, como Sdds (saudades), Blz (beleza), Gnt (gente), Tmj (tamo junto) e PPRT (papo reto) agora também fazem parte de como as crianças se expressam em conversas regulares

As crianças realmente escrevem de um jeito diferente dos adultos nas mídias sociais?

Crianças de 10 a 19 anos são capazes de escrever cerca de 10 palavras a mais por minuto do que uma pessoa de 40 anos, de acordo com a Universidade Politécnica de Zurique (ETH). Escrever rápido ou enviar mensagens de texto na internet e nas redes sociais são os ingredientes perfeitos para erros de ortografia. A cultura do imediatismo faz com que os jovens prestem menos atenção à forma como escrevem, inundando as telas com erros de ortografia e de escrita, como ausência de acentos, falta de sinais de pontuação e confusão entre palavras que soam iguais, mas são escritas de forma diferente como “mas” e “mais”, de acordo com a empresa de software de ortografia Walinwa.

Segundo a Universidade de Alcalá de Henares University, 9 em cada 10 jovens não prestam atenção à sua escrita quando se comunicam ou interagem nas redes sociais. E 20% dos alunos do ensino fundamental e médio dizem que “escrevem como falam”.

Como isso afeta a forma como as crianças escrevem offline?

As crianças agora estão trazendo as abreviações que escrevem na internet para a maneira como falam em uma conversa normal — dificultando o entendimento para as gerações mais velhas. No entanto, só porque as crianças prestam menos atenção em como escrevem nas mídias sociais, isso não significa que esse hábito se estende a outras situações em que elas precisam usar suas habilidades de escrita.

“Escrever mal na internet não significa que as crianças serão automaticamente maus escritores em outros ambientes. O mais importante é que os pais prestem atenção não em como seus filhos escrevem, mas no que eles escrevem. Algumas siglas podem ser sinais de comportamento arriscado.”Eduardo Cruz, CEO e cofundador da Qustodio.

Para ajudar os pais, compilamos uma série de gírias que devem ser conhecidas que podem sinalizar que seus filhos estão tendo conversas ou comportamentos inadequados, dentro e fora da rede.

Gírias para ficar de olho nas redes sociais

 

Conteúdo sexual

O sexo por mensagens de texto está aumentando cada vez mais entre a população, principalmente entre meninos, meninas e adolescentes. Aliás, segundo um estudo da EU Kids Online e do INCIBE, 3 em cada 10 menores receberam mensagens com esse tipo de conteúdo.

  • Mandar nudes (mandar fotos da pessoa sem roupa)
  • Contatinho (pessoa disponível para conversar)
  • Oi, sumido (a) (texto usado para iniciar uma paquera)
  • Boy (garoto em que a criança está interessada) ou crush (pessoa em quem se tem interesse afetivo)
  •  

 

Drogas e festas

De acordo com o Estudo Europeu sobre Álcool e Outras Drogas publicado pelo Centro Europeu de Drogas e Toxicodependência, 9% dos adolescentes espanhóis fumam diariamente e 17% tendem a embriagar-se.

  • ORS (outra rede social, normalmente usada como código)
  • Colar (comparecer)
  • Bater (fazer efeito, no caso de substância)
    •  

 

Cyberbullying

Apontamentos do estudo anual Qustodio, “Geração Z: o antes e o depois de uma geração marcada pela Covid-19, mostram que em 2020, apesar de as crianças passarem menos tempo na escola, o bullying cresceu 70%. Entre muitas ofensas a serem observadas, aqui estão alguns termos que são usados para insultar as crianças online:

 

  • Cheugy (pessoa desatualizada)
  • Gor3 (coisa nojenta, assustadora)
  • Normie (pessoa comum, que segue o padrão)
  •